Sem-categoria

DOCUMENTO COM 2000 ASSINATURAS EM DEFESA DA COMARCA DE QUERÊNCIA ESTÁ A CAMINHO DE CUIABÁ.

Da Redação- Homero Sergio

O documento elaborado por líderes políticos, entidades de classe, sociedade civil e da população em geral pedindo ao TJ de Mato Grosso a permanência da Comarca da cidade está pronto, assinado por todos  e seguindo em direção da capital para ser entregue aos desembargadores.

Relacionando inúmeras razões da importância da manutenção da Comarca, o documento pede pela reflexão da decisão e ressalta a importância que o Fórum representa para o nosso município.

Para oficializar o envio do documento, o Portal QUERÊNCIA HOJE reuniu vários segmentos da cidade para uma foto em frente ao Fórum como forma de reforçar simbólicamente a união da sociedade local na vontade de se fazer ouvir junto as autoridades de Cuiabá.

Nesse momento o documento assinado e com mais de 2000 assinaturas está seguindo em mãos do Dr. Marcelo da Cunha Marinho para ser entregue amanhã em Cuaibá e estaremos torcendo para que uma racional decisão seja tomada levando-se em conta todos argumentos elaborados no documento por legítimos representantes da cidade de Querência.

ETAPAS DE LUTA.

doc3.jpg

VEREADORA JACINTA, PRESIDENTE DA CAMARA TELMO BRITO, LENY (FUNC. FORUM) FABIOLA (ADVOGADA) VEREADORES-LUZIMAR, HELIODORO, VALÉRIO, ARNALDO (ADVOGADO) JOÃO(PRES DA ASSOC. COMERCIAL), MELAINE (FUNC. FORUM) MARCELO (ADVOGADO) REGINA (FUNC. FORUM), CHICÃO. MARJORE (FUNC. FORUM).

 

doc4.jpg

Dr. Arnaldo Thadeu mostra o documento e as assinaturas recolhidas.

doc1.jpg

Um debate na rádio Alternativa com representantes da OAB, Arnaldo

Thadeu, Dra. Fabíola, Dra. Fabiana, o jornalista Homero Sergio e o Prof.

David.

doc2.jpg

Mediado por André Khun e João Luiz do Couto do Jornal da Alternativa.

Sem-categoria

DIA HISTÓRICO: A ILHA NÃO É MAIS DE FIDEL. APÓS QUASE 50 ANOS CASTRO RENUNCIA.

Carta publicada hoje no diário Gramma onde Fidel renuncia ao cargo de Presidente de Cuba. 

200px-m_fidel_6635.jpg
O começo

fidel.jpg
O fim

Queridos compatriotas:

Les prometí el pasado viernes 15 de febrero que en la próxima reflexión abordaría un tema de interés para muchos compatriotas. La misma adquiere esta vez forma de mensaje. Ha llegado el momento de postular y elegir al Consejo de Estado, su Presidente, Vicepresidentes y Secretario.Desempeñé el honroso cargo de Presidente a lo largo de muchos años. El 15 de febrero de 1976 se aprobó la Constitución Socialista por voto libre, directo y secreto de más del 95% de los ciudadanos con derecho a votar. La primera Asamblea Nacional se constituyó el 2 de diciembre de ese año y eligió el Consejo de Estado y su Presidencia. Antes había ejercido el cargo de Primer Ministro durante casi 18 años. Siempre dispuse de las prerrogativas necesarias para llevar adelante la obra revolucionaria con el apoyo de la inmensa mayoría del pueblo.Conociendo mi estado crítico de salud, muchos en el exterior pensaban que la renuncia provisional al cargo de Presidente del Consejo de Estado el 31 de julio de 2006, que dejé en manos del Primer Vicepresidente, Raúl Castro Ruz, era definitiva. El propio Raúl, quien adicionalmente ocupa el cargo de Ministro de las F.A.R. por méritos personales, y los demás compañeros de la dirección del Partido y el Estado, fueron renuentes a considerarme apartado de mis cargos a pesar de mi estado precario de salud.Era incómoda mi posición frente a un adversario que hizo todo lo imaginable por deshacerse de mí y en nada me agradaba complacerlo.Más adelante pude alcanzar de nuevo el dominio total de mi mente, la posibilidad de leer y meditar mucho, obligado por el reposo. Me acompañaban las fuerzas físicas suficientes para escribir largas horas, las que compartía con la rehabilitación y los programas pertinentes de recuperación. Un elemental sentido común me indicaba que esa actividad estaba a mi alcance. Por otro lado me preocupó siempre, al hablar de mi salud, evitar ilusiones que en el caso de un desenlace adverso, traerían noticias traumáticas a nuestro pueblo en medio de la batalla. Prepararlo para mi ausencia, sicológica y políticamente, era mi primera obligación después de tantos años de lucha. Nunca dejé de señalar que se trataba de una recuperación “no exenta de riesgos”.Mi deseo fue siempre cumplir el deber hasta el último aliento. Es lo que puedo ofrecer.

A mis entrañables compatriotas, que me hicieron el inmenso honor de elegirme en días recientes como miembro del Parlamento, en cuyo seno se deben adoptar acuerdos importantes para el destino de nuestra Revolución, les comunico que no aspiraré ni aceptaré- repito- no aspiraré ni aceptaré, el cargo de Presidente del Consejo de Estado y Comandante en Jefe.

En breves cartas dirigidas a Randy Alonso, Director del programa Mesa Redonda de la Televisión Nacional, que a solicitud mía fueron divulgadas, se incluían discretamente elementos de este mensaje que hoy escribo, y ni siquiera el destinatario de las misivas conocía mi propósito. Tenía confianza en Randy porque lo conocí bien cuando era estudiante universitario de Periodismo, y me reunía casi todas las semanas con los representantes principales de los estudiantes universitarios, de lo que ya era conocido como el interior del país, en la biblioteca de la amplia casa de Kohly, donde se albergaban. Hoy todo el país es una inmensa Universidad.

Párrafos seleccionados de la carta enviada a Randy el 17 de diciembre de 2007:

“Mi más profunda convicción es que las respuestas a los problemas actuales de la sociedad cubana, que posee un promedio educacional cercano a 12 grados, casi un millón de graduados universitarios y la posibilidad real de estudio para sus ciudadanos sin discriminación alguna, requieren más variantes de respuesta para cada problema concreto que las contenidas en un tablero de ajedrez. Ni un solo detalle se puede ignorar, y no se trata de un camino fácil, si es que la inteligencia del ser humano en una sociedad revolucionaria ha de prevalecer sobre sus instintos.

“Mi deber elemental no es aferrarme a cargos, ni mucho menos obstruir el paso a personas más jóvenes, sino aportar experiencias e ideas cuyo modesto valor proviene de la época excepcional que me tocó vivir.

“Pienso como Niemeyer que hay que ser consecuente hasta el final.”

Carta del 8 de enero de 2008:

“…Soy decidido partidario del voto unido (un principio que preserva el mérito ignorado). Fue lo que nos permitió evitar las tendencias a copiar lo que venía de los países del antiguo campo socialista, entre ellas el retrato de un candidato único, tan solitario como a la vez tan solidario con Cuba. Respeto mucho aquel primer intento de construir el socialismo, gracias al cual pudimos continuar el camino escogido.”

“Tenía muy presente que toda la gloria del mundo cabe en un grano de maíz”, reiteraba en aquella carta.

Traicionaría por tanto mi conciencia ocupar una responsabilidad que requiere movilidad y entrega total que no estoy en condiciones físicas de ofrecer. Lo explico sin dramatismo.

Afortunadamente nuestro proceso cuenta todavía con cuadros de la vieja guardia, junto a otros que eran muy jóvenes cuando se inició la primera etapa de la Revolución. Algunos casi niños se incorporaron a los combatientes de las montañas y después, con su heroísmo y sus misiones internacionalistas, llenaron de gloria al país. Cuentan con la autoridad y la experiencia para garantizar el reemplazo. Dispone igualmente nuestro proceso de la generación intermedia que aprendió junto a nosotros los elementos del complejo y casi inaccesible arte de organizar y dirigir una revolución.

El camino siempre será difícil y requerirá el esfuerzo inteligente de todos. Desconfío de las sendas aparentemente fáciles de la apologética, o la autoflagelación como antítesis. Prepararse siempre para la peor de las variantes. Ser tan prudentes en el éxito como firmes en la adversidad es un principio que no puede olvidarse. El adversario a derrotar es sumamente fuerte, pero lo hemos mantenido a raya durante medio siglo.

No me despido de ustedes. Deseo solo combatir como un soldado de las ideas. Seguiré escribiendo bajo el título “Reflexiones del compañero Fidel” . Será un arma más del arsenal con la cual se podrá contar. Tal vez mi voz se escuche. Seré cuidadoso.

Gracias

Fidel Castro Ruz

18 de febrero de 2008

5 y 30 p.m.

LEIA A ÍNTEGRA EM PORTUGUÊS.

“Prometi a vocês na sexta-feira, 15 de fevereiro, que na próxima reflexão abordaria um tema de interesse para muitos compatriotas. A mesma adquire desta vez a forma de mensagem.

Chegou o momento de postular e escolher o Conselho de Estado, seu presidente, vice-presidentes e secretário.

Desempenhei o honroso cargo de presidente ao longo de muitos anos. Em 15 de fevereiro de 1976 foi aprovada a Constituição Socialista por voto livre, direto e secreto de mais de 95% dos eleitores.

A primeira Assembléia Nacional foi constituída em 2 de dezembro daquele ano e elegeu o Conselho de Estado e sua Presidência.

Antes, tinha exercido o cargo de primeiro-ministro durante quase 18 anos. Sempre dispus das prerrogativas necessárias para levar adiante a obra revolucionária com o apoio da imensa maioria do povo.

Sabendo de meu estado grave de saúde, muitos no exterior pensavam que a renúncia provisória ao cargo de presidente do Conselho de Estado, que deixei nas mãos do primeiro-vice-presidente, Raúl Castro Ruz, em 31 de julho de 2006, fosse definitiva.

O próprio Raúl, que adicionalmente ocupa o cargo de Ministro das FAR (Forças Armadas Revolucionárias) por méritos pessoais, e os demais companheiros da direção do partido e do Estado foram resistentes a me considerarem afastado dos meus cargos, apesar do meu estado precário de saúde.

Minha posição era incômoda frente a um adversário que fez tudo o imaginável para se desfazer de mim e ao qual não queria agradá-lo.

Mais adiante, pude recuperar o controle total da minha mente, a leitura e meditar muito, devido ao repouso. Tinha forças físicas suficientes para escrever por longas horas, o que fazia durante a reabilitação e os programas de recuperação. Um elementar bom senso me indicava que essa atividade estava a meu alcance.

Por outro lado, sempre me preocupei, ao falar da minha saúde, em evitar ilusões de que, no caso de um agravamento do quadro adverso, trariam notícias traumáticas a nosso povo no meio da batalha.

Prepará-lo para minha ausência, psicológica e politicamente, era minha primeira obrigação após tantos anos de luta.

Nunca deixei de destacar que se tratava de uma recuperação ‘não isenta de riscos”. Meu desejo sempre foi cumprir o dever até o último momento. É o que posso oferecer.

A meus compatriotas, que fizeram a imensa honra de me eleger recentemente como membro do Parlamento, em cujo âmbito devem ser adotados acordos importantes para o destino de nossa Revolução, comunico a vocês que não aspirarei nem aceitarei – repito – não aspirarei nem aceitarei o cargo de Presidente do Conselho de Estado e Comandante-em-Chefe.

Em breves cartas dirigidas a Randy Alonso, diretor do programa Mesa Redonda da televisão nacional, que foram divulgadas por minha solicitação, foi incluídos discretamente elementos da mensagem que hoje escrevo, e nem sequer o destinatário das mensagens conhecia meu propósito.

Confiei em Randy porque o conheci bem quando ele era estudante universitário de Jornalismo, e me reunia quase todas as semanas com os principais representantes dos alunos, que já eram conhecidos como o coração do país, na biblioteca da ampla casa de Kohly, onde se abrigavam. Hoje, todo o país é uma imensa universidade”.

Parágrafos selecionados da carta enviada a Randy em 17 de dezembro de 2007: “Minha mais profunda convicção é de que as respostas aos problemas atuais da sociedade cubana – que possui uma média educacional próxima de 12 graus, quase um milhão de pessoas com ensino superior completo e a possibilidade real de estudo para seus cidadãos sem nenhuma discriminação – requerem mais soluções para cada problema concreto do que as contidas em um tabuleiro de xadrez.

Nenhum detalhe pode ser ignorado, e não se trata de um caminho fácil, se é que a inteligência do ser humano em uma sociedade revolucionária prevalece sobre seus instintos.

Meu dever elementar não é me perpetuar em cargos, ou impedir a passagem de pessoas mais jovens, mas fornecer experiências e idéias cujo modesto valor provém da época excepcional que pude viver. Penso como (Oscar) Niemeyer que é preciso ser conseqüente até o final”.

Carta de 8 de janeiro de 2008: “Sou decididamente partidário do voto unido (um princípio que preserva o mérito ignorado). Foi o que nos permitiu evitar as tendências de copiar o que vinha dos países do antigo bloco socialista, entre elas a figura de um candidato único, tão solitário e ao mesmo tempo tão solidário com Cuba.

Respeito muito aquela primeira tentativa de construir o socialismo, graças à qual pudemos continuar o caminho escolhido.

Tinha muito presente que toda a glória do mundo cabe em um grão de milho.

Portanto, trairia minha consciência ocupar uma responsabilidade que requer mobilidade e entrega total que não estou em condições físicas de oferecer. Explico sem dramas.

Felizmente nosso processo conta ainda com quadros da velha-guarda, junto a outros que eram muito jovens quando começou a primeira etapa da Revolução.

Alguns quase crianças se incorporaram aos combatentes das montanhas e depois, com seu heroísmo e suas missões internacionalistas, encheram de glória o país. Contam com autoridade e experiência para garantir a substituição.

Dispõe igualmente nosso processo da geração intermediária que aprendeu conosco os elementos da complexa e quase inacessível arte de organizar e dirigir uma revolução.

O caminho sempre será difícil e exigirá o esforço inteligente de todos. Desconfio dos caminhos aparentemente fáceis da apologética, ou da autoflagelação como antítese. É preciso se preparar sempre para a pior das hipóteses.

Ser tão prudentes no êxito quanto firmes na adversidade é um princípio que não pode ser esquecido. O adversário a derrotar é extremamente forte, mas o mantivemos longe durante meio século.

Não me despeço de vocês. Desejo apenas lutar como um soldado das idéias. Continuarei a escrever sob o título ‘Reflexões do companheiro Fidel’. Será mais uma arma do arsenal com o qual se poderá contar. Talvez minha voz seja ouvida. Serei cuidadoso”.

Sem-categoria

DOCUMENTO PELA NÃO SUSPENSÃO DA COMARCA DE QUERÊNCIA ESTÁ PRONTO

A carta abaixo está sendo finalizada em fase de coleta de assinaturas para breve ser encaminhada aos Desembargadores de Cuiabá. 

No momento o documento está em processo de coleta de assinaturas, mas o portal QUERÊNCIA HOJE publica na íntegra a redação:

Vimos por meio desta, pedir veementemente que Vossa Excelência vote pela NÃO SUSPENSÃO da comarca de Querência pelos fatos e motivos apresentados abaixo:

1-     O fórum foi todo construído com recursos da comunidade, o Tribunal não teve gastos na construção, o que demonstra a força de vontade dos moradores desta cidade, que ainda é jovem, mas é a mais pujante do Estado. O município tem área semelhante ao Estado de Sergipe.

2-     Na comarca têm 04 (quatro) assentamentos rurais, que totalizam mais de 1.000 (mil) famílias assentadas. Um dos assentamentos (Brasil Novo) dista da cidade 140 Km (cento e quarenta quilômetros) de estrada de terra e que na época das chuvas ficam quase que intransitáveis. Com a suspensão da comarca aumentam-se 70 km (setenta quilômetros) de terra, totalizando 210 km (duzentos e dez quilômetros). Como esses assentados farão para se deslocar para buscar seus direitos junto ao Poder Judiciário. Muitas vezes chegam até a cidade de carona, pois não tem recursos para sequer comprarem uma moto. Como resolver os problemas dessas mais de 1.000(mil) famílias assentadas???

3-     O município e comarca de Querência, responde por mais de 50% (cinqüenta por cento) de toda a produção de grãos do Vale do Araguaia, produzindo mais que as cidades de Canarana, Água Boa e Nova Xavantina juntas, que são comarcas antigas deste estado;

4-     O município ainda é jovem, fundado em 1.991. Está atraindo investimentos de grupos empresarias como Bunge, Cargill, Caramuru, Amaggi, ADM, além de empresas ligadas diretamente ao agronegócio, a mola propulsora do nosso Estado. Sabe-se que o fato de o município ser sede de comarca é fator de grande relevância para que tais empresas se instalem na cidade. Com a suspensão da comarca, muitas empresas irão repensar em instalarem na cidade ou até mesmo continuarem no município.

5-     Das 09 (nove) comarcas relacionadas na resolução, Querência é a comarca com mais processos distribuídos (473) anuais e uma das comarcas mais novas, com apenas 03 (três) anos. Com a suspensão da comarca se instalará uma crise financeira na cidade, que após 03 safras de crise no agronegócio, começou a ver uma luz no fundo do túnel.

6-     A suspensão gerará um sentimento de traição do Poder Judiciário, pois o Tribunal não gastou nada com a construção e ainda recebeu por doação o prédio construído com o esforço de toda a comunidade que agora vê tal esforço indo embora por motivos inaceitáveis como parâmetro para se suspender uma comarca.

7-     A comarca de Querência arrecada custas e taxas judiciárias que se somadas ultrapassam em muito o valor gasto para a manutenção do fórum. Tramitam muitas ações de alto valor e por conseqüência com recolhimento de custas e taxas na mesma proporção, portanto para o Estado a suspensão de nossa comarca é totalmente inviável.

Pedimos a Vossa Excelência que pondere os argumentos apresentados, olhando sob a luz da comunidade, razão principal da existência do Poder Judiciário.

Não deixe que uma realidade fantástica como a que se tem na cidade de Querência, capital da soja do vale do araguaia, outrora conhecida como vale dos esquecidos, vire num pesadelo, em desespero de alguns que construíram e lutam por seus sonhos embasados na força de trabalhar, morar, numa cidade sede de comarca, pujante, promissora, em franco crescimento.

Repita-se que com a suspensão da comarca, o poder judiciário estará ausente da cidade, o que trará grande medo, aumento da violência com o sentimento de impunidade e desmando que surgirá nas pessoas que pendem ao crime, diante disso, gostaríamos que se sensibilizem e não condenem o estado onde moram, que diga-se, é um imenso estado que precisa de desenvolvimento, a completa regressão e falta de justiça.

                                                Querência, 15 de Fevereiro de 2.008.

Abaixo deste documento seguirão assinaturas das autoridades e representantes da Sociedade Civil e dos moradores da Querência.

Sem-categoria

QUERÊNCIA SE ORGANIZA PARA LUTAR POR SUA COMARCA

 

forum.jpg

É de perplexidade o estado de muitos na cidade com a possível suspensão das atividades do Fórum de Querência.

Além de um abaixo-assinado que circula desde ontem e podendo ser apoiado por qualquer cidadão, um documento será redigido e encaminhado para Cuiabá para ser entregue aos desembargadores com um pedido de revisão da situação de Querência.

Quem quiser apoiar e assinar o documento contra o fechamento da Comarca, basta passar pela Rádio Alternativa FM que está a disposição dos munícipes.

Da Redação – Homero Sergio

Sem-categoria

PROCURADOR GERAL REAFIRMA INTENSÃO DE SUSPENDER COMARCA DE QUERÊNCIA.

Em matéria publicada ontem no site do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, o Procurador Geral

se manifesta pela suspensão temporária de 9 Comarcas do Estado. 

O procurador-geral de Justiça, Paulo Roberto Jorge do Prado, voltou a manifestar efusivo apoio ao projeto de readequação judiciária proposto pelo Tribunal de Justiça. A falta de estrutura e de condições adequadas de atendimento à população foram apontadas como razão imperiosa para a suspensão temporária de atividades em algumas comarcas.

Das nove comarcas que poderão ter as atividades suspensas temporariamente, conforme prevê o projeto de readequação judiciária, nenhuma conta com promotor de Justiça titular. Associado a isso, apenas um terço das referidas comarcas dispõe de defensores públicos e juízes titulares. São elas: Apiacás, Campinápolis, Nortelândia, Porto Esperidião, Querência, Tabaporã, Paranaíta, Nova Ubiratã e Novo São Joaquim.

“Na maioria desses municípios não temos, de fato, defensores, delegados, cadeia pública, Polícia Militar, então a situação fica muito delicada”, ressaltou o procurador, acrescentando que não basta apenas a presença do Poder Judiciário para que a prestação jurisdicional seja ofertada de maneira satisfatória.

Ainda na avaliação do procurador-geral de Justiça, o ideal seria que o Poder Judiciário ampliasse o número de comarcas a serem suspensas, possibilitando assim o fortalecimento das comarcas remanescentes, melhorando a prestação jurisdicional. “Gostaria que além dessas nove também fossem suspensas, temporariamente, as comarcas de cidades como Feliz Natal, Jauru, Itaúba, Nova Canaã do Norte e Terra Nova do Norte, que têm o mesmo perfil das outras cidades”, destacou Paulo Prado.

O procurador exemplificou que, no caso de Itaúba e Nova Canaã do Norte, a suspensão proporcionaria fortalecimento da Comarca de Colíder. Já com a suspensão das atividades em Terra Nova do Norte, a Comarca de Peixoto de Azevedo poderia ser melhor estruturada. As comarcas de Araputanga e Vera, no entendimento do procurador, poderiam ofertar melhor serviço caso fossem suspensas, respectivamente, as comarcas de Jauru e Feliz Natal. Paulo Prado enfatizou que “é melhor fortalecer algumas comarcas do que deixar várias fragilizadas”.

Ainda conforme o procurador-geral de Justiça, o fato de o promotor de Justiça atuar numa única comarca, sem a necessidade de se deslocar para outro município, fará com que o trabalho flua com mais agilidade. “Assim a comarca tem promotor, juiz e defensor atuando sempre à disposição dessa comunidade. Se hoje não temos condições de ter juízes, promotores e defensores em todos os 141 municípios de Mato Grosso, temos que fortalecer as comarcas possíveis e aguardar melhores condições financeiras para prover as demais. Temos uma Lei de Responsabilidade Fiscal que impõe limites, e o que pode ser feito agora é a readequação que o Tribunal de Justiça está propondo”, frisou.

O procurador-geral de Justiça acrescentou ainda que a grande maioria das comarcas (89%) que vão receber os processos das unidades suspensas possui defensores atuantes, o que favorece a prestação jurisdicional, principalmente com relação à população com condições financeiras restritas.

Sem-categoria

ALEGANDO ALTO CUSTO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODE FECHAR COMARCA DE QUERÊNCIA

  Coje determina suspensão de comarcas com baixo movimento
  
Para imprimir maior agilidade no trâmite processual e melhorar a qualidade dos serviços prestados na Primeira Instância, compromisso assumido desde a solenidade de posse, a atual gestão do Tribunal de Justiça foi buscar no Código de Organização e Divisão Judiciária (Coje), o suporte para a adoção das medidas necessárias à remoção dos gargalos que impedem maior celeridade à entrega jurisdicional.
      

Para tanto, avaliou como imperiosa a necessidade de observância ao expresso no artigo 14 do Código que estatui: “Verificando-se a perda de quaisquer dos requisitos necessários à criação e instalação de Comarcas, o Tribunal poderá, conforme o caso, proceder ao rebaixamento, extinção ou suspensão da Comarca, anexando-se, nos últimos casos, o seu território à Comarca mais próxima”.       

Complementarmente, o parágrafo primeiro do mesmo artigo estabelece que “poderá ainda o Tribunal transformar, suspender ou extinguir vara de pouco movimento forense ou para equacionar a melhor distribuição de feitos”. E não foi outro o embasamento que norteou o trabalho. A proposta de readequação judiciária, formulada pela Corregedoria-Geral da Justiça, nasceu de um detalhado e vigoroso diagnóstico da realidade, que indicou o caminho da transformação de competências em benefício do atendimento às maiores demandas da população.       

É nesse contexto que está inserida a propositura de suspensão de comarcas com baixo movimento forense. As nove que estão nessa previsão registram um movimento forense médio, em vara única, de 300 novos processos/ano. “Manter comarcas com essa média de  novos processos por ano, a um custo elevado, é desperdiçar o dinheiro público”, sentenciou o corregedor-geral da Justiça, desembargador Orlando de Almeida Perri, enfatizando que o projeto de readequação vai permitir a racionalização dos recursos, redistribuição mais eqüitativa dos processos e, via de conseqüência, melhorar o atendimento da população nas comarcas onde realmente há maior demanda.       

De acordo com a Corregedoria, o custo médio das comarcas que têm baixo movimento forense gira em torno de R$ 1,236 milhão por ano, entre manutenção do prédio, equipamentos, salários de magistrado e servidores e outras despesas. Nos termos do Coje, a manutenção de uma comarca só se justifica quando o movimento forense for superior a 500 novos processos distribuídos por ano, excetuando os executivos fiscais e cartas precatórias (veja tabela do movimento das comarcas que deverão ser suspensas).       

Ainda conforme preconiza o Código, as comarcas devem contar com entidades responsáveis pela manutenção, planejamento e execução de programas de proteção e sócio-educativos para crianças e adolescentes, o que não acontece nas comarcas que devem ser suspensas temporariamente. As referidas comarcas também não dispõem de juiz titular, promotor de Justiça, defensor público ou cadeia pública, requisitos necessários à manutenção do Foro no município.

Comarca a ser suspensa Número de novos processos distribuídos a cada ano (Vara Única) Comarca que receberá feitos distribuídos
Apiacás 223 Nova Monte Verde
Campinápolis 373 Nova Xavantina
Nortelândia 244 Arenápolis
Porto Esperidião 401 Mirassol D?Oeste
Querência 473 Ribeirão Cascalheira
Tabaporã 190 Porto dos Gaúchos
Paranaíta 258 Alta Floresta
Nova Ubiratã 249 Sorriso
Novo São Joaquim 422 Barra do Garças

Fonte: Portal do Poder Judiciário de MT.

Sem-categoria

ACABOU O BARULHO, ENERGIA DE QUERÊNCIA AGORA CHEGA PELO LINHÃO.

  cemat1.jpg

Complexo de motores que até hoje produzia a energia consumida na cidade

cemat2.jpg

Detalhes finais dos técnicos antes da troca de comando dos geradores.

cemat3.jpg

Os motores barulhentos, porém eficientes que há anos gerava energia no município foram aposentados na tarde de hoje.A Cemat concluiu os trabalhos de ligação do Linhão e a energia agora em Querência será mas estável e segura e esperamos, mais baratas. Menos poluição sonora e do ar deve ocorrer agora com o fim do uso de óleo diesel para alimentar os motores.

O conjunto de geradores que alimentava a cidade foi desativado, mas continuará de prontidão por pelo menos 30 dias segundo informou tecnicos da Cemat poucas horas antes de efetuar a tranferência de energia dos motores para o Linhão que vem de Cuiabá.

Desde cedo Querência ficou sem luz para a troca do sistema e regressou por volta de 12 h. Na parte da tarde um defeito em Canarana, indicava a necessidade de revisão o que obrigou voltar para o uso das máquinas. A resolução final aconteceu por volta de 16 h quando nova interrupção foi registrada e finalmente o esperado Linhão entrou em operação.

Da Redação. Homero Sergio

Fotos Homero Sergio

Sem-categoria

PRODUTORES RURAIS DEBATEM DECRETO AMBIENTAL E AGENDAM ENCONTRO EM BRASÍLIA DIA 12

O Sindicato do Produtores Rurais de Querência reuniu seus pares e o poder público em representativo encontro com mais 90 pessoas lotando o plenário da Câmara Municipal de Querência.

Sob o comando do presidente Darci Heemann, o debate contou a presença do prefeito Fernando Görgen, de lideranças rurais, vereadores, agricultores, técnicos da Aprosoja e de empresas que compram os produtos na região.

Além da leitura atenta do decreto ambiental  de 21/12, número 6321 do Ministério do Meio Ambiente que incluiu Querência e mais 18 munícipios na lista suja do desmatamento, foram discutidas saídas jurídicas e políticas para fazer frente aos prejuízos desde já sentidos com a inclusão do nome de Querência na lista, e que é negada pelas autoridades municipais uma vez que o desmatamento registrado não seriam motivados por desmate e sim resultante de queimadas durante época crítica de seca.

Depois de relatar as várias reuniões feitas em Cuiabá, foram feitas colocações no sentido da necessidade de fortalecimento do Sindicato e das entidades representativas com o objetivo de encontrar uma solução para a crise.

O medo de empresas abandonarem o município e haver restrições na compra da lavoura, foi destacada pelo prefeito Fernando, como um dos piores cenários possíveis e segundo ele muito preocupante para o desenvolvimento da cidade. Ele reafirma que os números apresentados pelo INPE não são corretos e agendaram  reunião na próxima terça 12 em Brasília para junto com deputados federais e senadores estudarem propostas para um futuro acôrdo sobre o alcance do decreto e com isso encontrar soluções de negociação junto ao Incra e o Ibama e Governo federal.

A reunião acontecerá na sala número 15 da Câmara do deputados às 10:30 hs. Já confirmada a presença do prefeito Fernando Görgen, do representante da Aprosoja Marcos Rosa, do presidente do Sindicato Rural Darci Heemann e produtores rurais da região

Da Redação- Homero Sergio

rurais1.jpg

Fernando Görgen criticou novamente os números divulgados pelo INPE.

rurais21.jpg

rurais3.jpg

Sem-categoria

DIVA É O BLOCO VENCEDOR DOS DESFILES DO CARNAQUERÊNCIA 2008 QUE PROMETE TER 6 BLOCOS EM 2009

Após acirrada disputa na contagem dos pontos que aconteceu ontem no gabinete do prefeito Fernando Görgen, acompanhado das Secretárias da Ação Social Rosely Görgen e da Educação Janet Thomas e dos representantes dos blocos concorrrentes, foi definido o vencedor do Desfile de Blocos de 2008.

Já passava da meia-noite quando Iva Volpi, da equipe de organização da prefeitura,  leu o resultado que deu a vitória para o Bloco Diva e uma vibrante festa da galera com bandeiras e muita gritaria, aplaudiu e diretora do bloco que ao subir ao palco, recebeu o prêmio das mãos da comissão.

Logo mais você verá aqui no QUERÊNCIA HOJE vários momentos da última noite da festa, da premiação e a comemoração na praça diante do palco onde a Banda Explosão tocou e animou durante os 4 dias de carnaval.

Da redação: Homero Sergio

Enquanto isso a primeira dama Rosely foi foi fotografada ao lado de uma personalidade muito importante, mas que ninguém até agora reconheceu.

virgem.jpg