FUTEBOL DE AREIA JÁ TEM OS FINALISTAS

RESULTADOS

DIA: 29/03

DALMOCAR  6  X  2 CAPIXABA LANCHES

TOLEDINHO  2  X  3 QUALIDADE DE VIDA

RETIFICA QUERÊNCIA  2   X  3 BUTEKÃO

CEFIQUE      10  X  0 ESTADUAL QUERÊNCIA

 

A GRANDE FINAL SERA DOMINGO 05/04

 

– DECISÃO DO 3° E 4º LUGAR FEMENINO E MASCULINO:

16:00- CAPIXABA LANCHES  X  ESTADUAL QUERÊNCIA

 

17:00– TOLEDINHO  X  RETIFICA QUERÊNCIA

 

DECISÃO DO 1º E 2° LUGAR FEMENINO E MASCULINO:

17:40- CEFIQUE  X  DALMOCAR

 

18:20- BUTEKÃO  X  QUALIDADE DE VIDA

Anúncios

VEJA AS IMAGENS DO MERGULHADOR QUE SOBREVIVEU AO FERIMENTO DE ARPÃO NA CABEÇA.

RIO – Passa bem o homem atingido na cabeça por um arpão ao praticar caça submarina na Ilha do Governador, na manhã de sábado. Emerson de Oliveira Abreu, 36 anos, foi socorrido no Hospital de Saracuruna, na Baixada Fluminense, onde, segundo os médicos, chegou lúcido, apesar de um pedaço do arpão ter ficado preso em sua cabeça. Ele teria sido atingido pelo próprio arpão, depois que o equipamento disparado atingiu uma pedra e voltou em sua direção.

A vítima foi submetida a uma cirurgia de cinco horas e, de acordo com médico Manoel Moreira, passa bem:

– Como o acidente não atingiu áreas nobres, ele chegou aqui lúcido, sem déficit nenhum motor. Depois de 24 horas do transcorrido, foram realizados novos exames neurológicos e tomográficos e não apresenta nenhuma lesão, afirma o médico.

De acordo com parentes e médicos que o atenderam, ele chegou ao hospital lúcido e já está consciente novamente.

– É um milagre, sintetizou o pai de Emerson, Edílson Abreu. Segundo ele, o filho sempre trabalhou como mergulhador na manutenção de barcos. Ele praticava caça submarina sozinho, quando o acidente aconteceu.

De acordo com a família, Emerson foi socorrido por um amigo que o esperava no barco

QUERÊNCIA TEM SEMANA DECISIVA SOBRE O FUTURO DO FÓRUM E DO ZONEAMENTO.

Da Redação. Homero Sergio.

 

A semana começa cheia de expectativa com duas questões que envolve áreas importante para o desenvolvimento de Querência. Hoje 15 horas em Cuiabá uma audiência pública discute a situação que envolve um possível fechamento da Comarca de 27 municípios  e inclui a comarca da cidade.

 Para isso lideranças do município estão em Cuiabá e assim lutar pela manutenção da comarca. Para lá seguiram o Prefeito Fernando Gorgen e o Presidente da Câmara Luzimar Pereira Luz.

No campo ambiental nesta quinta 2 e sexta 3 serão os encontros técnicos em Barra do Garças, que culminarão no sábado com a audiência pública que definirá a situação de Zoneamento da região e uma grande caravana é esperada em Barra para defender os interesses  de Querência.

CRISE? CONHEÇA 10 DICAS DE ESPECIALISTAS PARA SAIR DO VERMELHO.

A crise econômica está fazendo com que as taxas de inadimplência no Brasil voltem a subir, após se manterem em níveis estáveis por vários anos. Dados do Banco Central (BC) mostram que a inadimplência está em trajetória de alta nos últimos cinco meses. 

Em março, o nível subiu para 8,3%, o patamar mais elevado desde maio de 2002. “Muita gente começa a usar o cheque especial ou o cartão e não o salário como seu limite de consumo, com juros que podem chegar a 15% ao mês.

 Quando a pessoa não consegue cobrir o valor, começam a incidir juros sobre juros, a coisa vira uma bola de neve e a dívida dispara”, explica Carlos Daniel Coradi, da EFC Engenheiros Financeiros & Consultores.

O G1 conversou com uma série de especialistas para descobrir as melhores rotas para quem procura “sair do vermelho” e deixar as dívidas para trás.

OS DEZ PASSOS PARA SAIR DO VERMELHO

 Veja como se livrar das dívidas em tempos de inadimplência em alta.

1. Conheça o tamanho de sua dívida. Visite todos os credores e peça para que eles descrevam em um papel oficial da instituição o valor exato e os itens que compõem o total de sua pendência.

2. Leve os papéis para a análise de um especialista. Talvez alguns itens possam ser deduzidos do total a ser pago, ou então o valor da dívida pode ter sido calculado de modo incorreto.

3. Guarde esses papéis. Mais tarde, eles podem funcionar como comprovantes em caso de uma disputa judicial sobre o valor da dívida.

4. Tente levantar o maior valor possível. Isso pode incluir a venda de um veículo ou de um terreno, ou mesmo um empréstimo tomado de um familiar. Até mesmo as jóias da família podem ser usadas em um momento de dificuldade.

5. Com esse dinheiro, faça uma oferta aos credores para o pagamento à vista de uma parcela de seu débito. Normalmente, esse tipo de oferta pode gerar o abatimento de uma parcela significativa da dívida.

6. Mude o perfil de sua dívida. Use o dinheiro de um empréstimo consignado – com mais parcelas e juros mais baixos – para cobrir as dívidas anteriores, especialmente no caso das pendências do cartão de crédito e do cheque especial.

 7. Essa “troca” da dívida deve diminuir o número de credores, se possível para apenas um. Assim, evitam-se os riscos de muitas taxas para pagar, muitos boletos, com chances de perder um prazo ou deixar de pagar uma conta.

8. Caso não consiga unificar as dívidas, a prioridade de pagamento deve recair sobre aquelas com juros mais altos, especialmente o cartão de crédito. Sempre que possível, deve-se pagar o valor integral da parcela e não apenas o percentual mínimo.

9. Na hora de conversar com os credores, mostre que tem tem intenção de pagar a dívida, mas que está enfrentendo dificuldades. Bancos e financeiras tendem a aceitar uma redução no valor do débito em vez de ficar sem receber ou enfrentar os custos de um processo.

10. Adote uma postura preventiva antes de enfrentar uma dívida. Use o cartão de crédito e o cheque especial apenas em situações específicas, e somente quando tiver recursos para cobrir rapidamente os custos.

Fonte: G1

Katoomba Global Meeting: Mato Grosso lança programas e ações

 
Da Assessoria

Cuiabá sedia na próxima semana, nos dias 1º e 2 de abril, no Centro de Eventos do Pantanal, o XIV Katoomba Global Meeting – “Evitando o Desmatamento na Amazônia através dos mercados PES”. O evento, promovido anualmente pelo The Katoomba Group e Forest Trends, nesta edição conta com a parceria do Governo de Mato Grosso por meio das secretarias de Estado do Meio Ambiente, Planejamento, Casa Militar e Casa Civil e ONGs ambientais como o Instituto Centro Vida (ICV).

O Katoomba Meeting é um encontro mundial onde são debatidas ações visando o desenvolvimento sustentável. O evento trará para Mato Grosso autoridades nacionais e internacionais, ambientalistas e representantes da sociedade civil organizada que estarão discutindo questões como as mais recentes iniciativas para controlar o desmatamento na região Amazônica Brasileira, mudanças climáticas, implantação de medidas para redução de emissão de gases por desmatamento e degradação da terra – conhecido por REDD e o pagamento pela prestação de serviços ambientais, como o mercado da água pode contribuir para a conservação na região Amazônica , o surgimento de mercados de biodiversidade e como podem ser aplicados no Brasil e, como conciliar os desafios atuais com futuras soluções econômicas e ambientais contra o desmatamento na região amazônica, entre outras.

A XIV edição do encontro foi dividida em dois momentos. No primeiro, nos dias 1º e 2 de abril, serão realizados os fóruns, abertos aos participantes inscritos – cerca de mil pessoas -, que acontecerá no Centro de Eventos Pantanal, em Cuiabá. Nos dias 3 e 4 de abril, acontecem no Hotel SESC Pantanal, em Poconé, reuniões técnica e científicas entre autoridades e pesquisadores.

O secretário de estado do Meio Ambiente, Luis Henrique Daldegan disse que hoje, em decorrência das iniciativas implementadas pelo governo visando a preservação e o desenvolvimento sustentável, Mato Grosso vem sendo visto como uma referência entre os estado. “Estamos todos, poder público produtores e organismos não governamentais comprometidos com o meio ambiente, com a redução do desmatamento, a conservação do ecossistema e o desenvolvimento sustentável”, salientou o secretário que nesta sexta-feira acompanha a comitiva de embaixadores de 13 países membros da União Européia em agenda no Estado visando estreitar o relacionamento desses países com Mato Grosso por meio de uma interação maior com o sistema de produção e programas de preservação ambiental.

PROGRAMAÇÃO – Durante o XIV Katoomba Global Meeting os governadores da Amazônia Legal – de Mato Grosso, Blairo Maggi; do Amazonas, Eduardo Braga; do Acre, Arnóbio Marques; do Pará, Ana Júlia Carepa; do Amapá, Waldez Góes; de Rondônia, Ivo Cassol; do Tocantisns, Marcelo Miranda e de Roraima, José de Anchieta Junior -, estarão discutindo ações estratégicas e de cooperação na luta contra o aquecimento global e estratégias para conter o desmatamento na região entre outros temas.

Esse fórum acontecerá no dia 1º de abril, às 11:30 horas, logo após a solenidade de abertura do evento, com a participação do governador Blairo Maggi e do representante da Forest Trend Michael Jenkis, e das palavras do secretário de Energia e Mudanças Climáticas da Califórnia (EUA).

Durante o encontro, o Governo do Estado estará lançando uma série de medidas constantes da agenda verde, como o programa MT Legal de cadastramento e licenciamento ambiental; o Plano Estadual de Prevenção e Combate ao Desmatamento, o Fórum de Mudanças Climáticas e uma proposta de implementação do REDD para Mato Grosso, entre outros.

QUERÊNCIA MOBILIZADA FAZ MEGA REUNIÃO E PREFEITO CONVOCA TODOS PARA AUDIÊNCIA NA BARRA DIA 4 DE ABRIL

Da Redação. Homero Sergio.

reuniao1

A palavra foi franqueada ao público que esteve presente ao evento.

globo11

Equipe da Globo durante entrevista com Fernando Gorgen.

eduardo

Eduardo Moura participou da reunião na Câmara Municipal de Querência.

reuniao3

Numa mobilização ímpar na cidade,  aconteceu ontem na Câmara Municipal uma reunião das mais significativas que contou com a presença de quase 150 pessoas do arco da sociedade querenciana e de vários setores produtivos. Todos com um objetivo comum que é se preparar técnica e organizadamente para se fazer ouvir na audiência pública que vai definir qual área Querência está inserida dentro do Zoneamento Ecólogico do Estado e que será debatido e aprovado dia 4 de abril em Barra do Garças. Na entrada foi distribuído um documento com os argumentos pedindo a mudança de Querência para Zona 1 e não 2.3 entre outras mudanças.

No encontro estiveram presentes na mesa : Fernando Gorgen, prefeito, Luizimar Pereira Luz, presidente da Câmara, Eduardo Moura, suplente de deputado federal e sua esposa, Daltro Barbosa secretário de agricultura, Darci Heemann presidente sindicato Rural, Elandro Dalbello do sindicato dos trabalhadores,Lércio Freitas do Sindicato Ruralde Água Boa, Neuri Wink vereador e presidente da comissão de obras, serviços públicos, agroindústria,comércio e turismo da Câmara Muncipal, além do advogado Marcelo Cunha do sindicato que fez a apresentação com as mudanças sugeridas pela FAMATO no teor do texto. Presentes também o vice-prefeito João Pizzi, a secretária Roseli Gorgen e os vereadores: Luiz Vezaro, Valério Fernandes, Dona Helena e o coordenador do ISA Rodrigo Junqueira.

Além da imprensa local, o encontro foi transmitido pela rádio comunitária e contou também com a presença de uma equipe da TV Globo que produz programas para o Globo Rural.

Após várias falas sobre a importância da presença numerosa em Barra do Garças para fazer valer a opinião dos Querencianos, fica evidente a necessidade de união dos segmentos da cidade já que a votação está prevista para julho deste ano e a audiência pública é a última oportunidade para interferir na alma do projeto.

O vereador Neuri agradeceu  e salientou a importância da presença significativa de ontem que registrou a participação de produtores, grandes e pequenos, OAB, Rotary,Apae,  Igreja Católica e Evangélica, professores, jornalistas, juventude católica, comerciantes, representantes de entidades como um todo e convidou todos para uma reunião mais técnica que acontecerá no sábado 8 horas na Câmara para a definição do documento e da organização da Caravana que seguirá para Barra do Garças em 4 de abril.

Breve uma entrevista com Fernando Gorgen Prefeito de Querência e com Eduardo  Moura sobre a importância da participação de todos na audiência pública.

                                               NOTA EXPLICATIVA

 

                       O que é o Zoneamento Sócio Econômico Ecológico (ZSEE), “de Organização do Território a ser Obrigatoriamente seguido na implantação de Planos, Obras e Atividades Publicas e Privadas, estabelecendo medidas e Padrões de Proteção Ambiental dos recursos hídricos e do solo conservação da Biodiversidade, garantindo o desenvolvimento sustentável e a melhoria das condições de vida da população”.

 

Dos critérios –

                      Ambiental ou Ecológico

                      Estrutura Produtiva

                      Desenvolvimento Humano

                      Institucional

 

                        O Zoneamento diz que as áreas do País, Estados ou Municípios podem ser divididas em acordo com sua realidade própria chamada Zonas, com características de Potencial Econômico Ecológico e ocupação no outrora foi autorizada a implantação do Projeto de Colonização, incentivos através da Sudam do Governo Federal e posteriormente com implantação de mais cinco assentamentos do INCRA o que aprova nossa aptidão agrícola. Por isso vou relatar alguns fatos mais relevantes do por que da classificação Erronia do nosso município no Zoneamento Sócio Econômico Ecológico e a necessidade de reverter esse quadro na Audiência de Barra do Garças, dia 4 de abril de 2009, estaremos classificados dentro do Zoneamento na categoria 2.3 que se identifica com regiões focadas para a preservação e recuperação de fontes hídricas.

                        Compreende áreas de significado estratégico, pelo fato de abrigarem as nascentes nas áreas de recarga do alto curso dos rios formadores de grandes bacias hidrográficas.

                         E nós identificamos como categoria 1 que contempla áreas consolidadas ou consolidar.

                         Compreende as ares que se encontra em processo de consolidação das atividades produtivas ou já consolidadas, que concentram a porção mais dinâmica da economia estadual, para as quais são recomendadas ações e intervenções para a manutenção e/ou intensificação das atividades existentes, tendo em vista a sustentabilidade ambiental e econômica.

 

                         Prova isso:

– Temos consciência de Preservação do Meio Ambiente, pois no mínimo somos iguais em devolução de destino correto de 99% das embalagens oriundos de produto tóxico, coisa que é exemplo pro mundo.     

 – Temos diversidades de Produção de Alimentos como, soja, arroz e milho mais de 20 anos, alem da agricultura de subsistência dos parceleiros do INCRA e chacareiros do entorno de nossa cidade.

– Temos solo vermelho-amarelo apto para pratica da agricultura.

– Prova disso é que temos os maiores índices de produtividades do Estado de Mato Grosso.

– Seguramente temos 85% das APPS preservadas.

– Consciência que precisamos chegar mais perto dos 100% mas sabemos que ninguém tem isso, nem São Paulo, nem Europa, nem Ásia ou onde tiver ocupação humana.

 

 

Meio Ambiente

 

– Porque somos agricultura consolidada merecemos e somos aptos a se enquadrar na categoria 1. no ZSEE do MT

– Porque somos responsáveis por 51% da produção do Vale do Araguaia.

– Porque ser contemplados na categoria 1.

– Porque temos que ter responsabilidade de zelar pelo compromisso social que o município tem; Afinal temos que ter renda para dar saúde, educação, saneamento básico, com água e esgoto trafegabilidade para o cidadão ter o direito de ir e vir, buscar a melhora da condição de vida pra si e seus familiares.

                        O município precisa preservar a continuação do direito através do Executivo e suas secretarias, ir buscar e ter acesso aos programas de Governo ou Ministérios, fontes de recursos para dar continuidade na implantação de pequenos seringais para o parcelamento, projetos de pupunha, para num futuro próximo formar pequenas indústrias para processamento e comercialização direta.

– Temos implantado um sistema agrícola altamente tecnificado.

– Praticamos plantio direto

– Fazemos contenção das águas das estradas.

– Por tanto senhores, temos argumentos mais do que suficientes para reverter esse equivoco de posicionamento na categoria e no mapa Sócio Ecológico Econômico do nosso Estado do MT.

– Estamos numa região visada por muitos interesses, mas temos nossa identidade própria; nossa condição própria; nossos valores próprios nossas necessidades próprias e nossa vontade própria.

 

                          Por isso prezada comunidade, estamos mobilizados (Câmara de Vereadores, Sindicato Rural e Executivo Municipal), e temos que mobilizar mais e se fazer presente nas reuniões técnicas e a população, juntos no dia 4 de abril em Barra do Garças na Audiência Publica, para sensibilizar a Comissão se Deputados que lá estarão para dirigir os trabalhos e fazer valer nossa vontade e mais essa batalha igual a outras tantas que já enfrentamos, mas certeza de forma organizada e toda a comunidade unida, falando a mesma linguagem. Já que nesse caso especifico, não justifica e não tem espaço para outra interpretação, assim trabalhando, crescendo e vivendo em harmonia, agricultores, parceleiros, cidadãos da cidade e etnias indígenas.

 

                                         NEURI NOBERTO WINK

Presidente da Comissão de Obras, Serviços Públicos, Agroindústria, Comercio e Turismo da Câmara Municipal de Vereadores de Querência -MT.

APÓS 18 ANOS COLLOR ADMITE ERRO AO CONFISCAR POUPANÇA.

Brasília – O ex-presidente da República e atual senador Fernando Collor (PTB-AL) reconheceu hoje (18) que o bloqueio do dinheiro das cadernetas de poupança, adotado por ele em 1990 a pretexto de conter inflação, foi um equívoco e que “tropeços aconteceram” quando esteve na Presidência. As revelações foram feitas durante a gravação do Programa 3 a 1, da TV Brasil, que vai ao ar hoje às 22h.

“Naquela época, querendo fazer os ajustes de forma rápida, equivoquei-me. Certamente, eu não teria adotado um programa econômico que causasse tanto desassossego”, disse. “Se tivesse outra chance, não teria bloqueado a poupança de pessoas físicas e jurídicas.” Collor se recusou a classificar a medida como confisco. “A meu ver o que fizemos foi bloqueio [da poupança].”

O ex-presidente admitiu ainda ter cometido outros “erros cruciais e fatais”. Entre eles, citou “a falta de diálogo com a classe política e com [políticos e empresários de] São Paulo”.

Sobre o processo que o levou ao impeachment em 1992, Collor acredita que não o teria sofrido caso tivesse mantido uma boa relação com o Congresso Nacional e que todo o processo teve início no pedido dele à Procuradoria Geral da República para abrir todos os processos e investigações necessários para o caso.