AVIADOR QUE FEZ A VOLTA AO MUNDO DE AVIÃO, SOBREVOA QUERÊNCIA COM BALÃO.

FOTOS: MARGI MOSS

Gérard Moss registrando em vídeo o sobrevoo.

O aviador e ambientalista Gérard Moss, que ficou conhecido em todo o Brasil por ser o único piloto brasileiro a ter realizado por duas vezes, em 1992 e 2001, a volta ao mundo em aeronaves pequenas, agora realiza treinamentos de voos na floresta amazônica, a bordo de um balão de ar quente. Gérard, que gosta de velocidade e está acostumado a voar com a potência de um motor na mão e controlar a direção e a velocidade, está sendo treinado para pilotar e conviver com uma sensação de impotência diante das características do balonismo, de ser levado pelo vento, e de preferência, com ventos fracos.

Na semana de 15 a 20 de fevereiro, Gérard, comandante do Projeto Rios Voadores, e uma equipe especializada em balonismo, partiu para Querência, no Mato Grosso, para um treinamento de sobrevoo na floresta amazônica.

Gérard se encantou com a experiência e relata: “Foram cinco dias de voos emocionantes, sobrevoando a floresta tropical a bordo do balão da Expedição Rios Voadores, orientado pelo piloto Welington da Mota Corrêa. Nós voamos a zero metro das copas das árvores com rasantes impressionantes, e até penetrando no dossel quando possível. É maravilhoso pegar as folhas com as mãos, ouvir os gritos de surpresa das aves que vivem nas alturas das árvores. Foi um grande privilégio contemplar a nossa floresta amazônica, em terras matogrossenses, e observar de tão perto a vida na floresta sobre as árvores.

Na Fazenda Macaré, que excepcionalmente conserva ainda 80% de suas matas intactas, os voos de balão tinham o objetivo de analisar a viabilidade de coletar amostras comparativos de vapor de água emitido das matas e dos campos em volta.

O Projeto Rios Voadores é patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Ambiental. Trabalha em colaboração com CENA, CPTEC e INPE e tem o apoio da Richards, Victorinox, Aliança da Terra e Agência Nacional das Águas.

 

Anúncios

É RONALDO, É GAÚCHO É CAMPEÃO!

Foi sofrido e suado. O Boavista valorizou o quanto pôde. Mas novamente, numa decisão entre favorito e azarão, prevaleceu no futebol carioca a tradição. O Flamengo venceu a decisão da Taça Guanabara, num Engenhão lotado, com 41.708 torcedores presentes, e garantiu lugar na final do Campeonato Carioca 2011. Para a festa ser completa e o carnaval começar com uma semana de antecedência, o gol do título e da vitória por 1 a 0 foi do craque Ronaldinho Gaúcho. Numa cobrança de falta com a categoria que sempre marcou seu estilo, ele balançou a rede e tirou o time do sufoco. Porque até aquele momento o jogo estava bastante difícil para os rubro-negros.

O Flamengo comçou a partida com mais volume de jogo. E empurrava o Boavista para sua defesa. Mas Ronaldinho Gaúcho e Thiago Neves não encontravam espaço e pareciam sem inspiração. O primeiro lance de perigo aconteceu aos 11 minutos, quando Thiago Neves cabeceou para defesa do goleiro Thiago. Aos 15, Léo Moura recebeu sozinho na área, mas chutou à esquerda do gol.

Aos 34, a torcida rubro-negra começou a vaiar e a pedir Negueba. O esquema de Vanderlei Luxemburgo, com Ronaldinho como centroavante, não surtia efeito. Aos 39, o último bom momento do Fla na etapa inicial: Egídio cruzou na área e o goleiro Thiago se esticou para desviar a bola antes de Thiago Neves.

No segundo tempo o Boavista voltou mais animado. E o jogo começou a ganhar contornos dramáticos, porque o Flamengo encontrava ainda mais dificuldade para criar oportunidades de gol. Aos 11 minutos, Ronaldinho Gaúcho recebeu cartão amarelo depois de acertar uma canelada em Júlio César.

 A estrela do craque brilho enfim aos 28 minutos. Thiago Neves sofreu falta perto da área. Ronaldinho ajeitou com carinho. A expectativa se transformou em explosão de felicidade quando a bola viajou sobre a barreira e morreu na rede, à esquerda do goleiro Thiago, que nem se mexeu. Uma cobrança típica dos melhores momentos da carreira de Ronaldinho: Flamengo 1 a 0. Na comemoração, o jogador rubro-negro puxou a coreografia do “Bonde do Mengão Sem Freio”, um sucesso nos treinamentos e entre os torcedores.

Aos 35 minutos, o atacante Frontini perdeu a cabeça. Atingido por Renato Abreu numa disputa de bola em que o jogador do Flamengo ergueu demais os pés, o atacante do Boavista reagiu com um empurrão. O árbitro Marcelo de Lima Henrique deu cartão vermelho para Frontini.

A torcida do Flamengo passou então a gritar “mais um, mais um”, pedindo o gol que tranquilizasse de vez o time. Aos 31, Léo Moura deu uma arrancada pela direita, em contra-ataque veloz, mas perdeu a chance de atender o pedido dos torcedores. Ele segurou demais a bola e acabou desarmado. Nada que estragasse a festa e o carnaval antecipado em vermelho e preto. Ronaldinho Gaúcho, que está pronto para cair na folia, cumpriu o dever de casa e agora pode se divertir à vontade. Ele e toda a Nação Rubro-Negra. (OGLOBO)

COM PROTOCOLO NA SEMA 24 ASSENTAMENTOS JÁ CONSEGUEM ACESSAR RECURSOS.

Intermat inicia processo de regularização do passivo ambiental de assentamentos
DÉBORA SIQUEIRA
Assessoria/Intermat-MT

Vinte e quatro Cadastros Ambientais Rurais (CAR) dos assentamentos do Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat) foram protocolados na Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema). Este é um dos primeiros passos para a regularização do passivo ambiental desses imóveis rurais, conforme as regras do MT Legal. Após o cadastro, o Estado tem até três anos para dar entrada no pedido de licenciamento ambiental dos assentamentos.

Somente com o protocolo da entrada do CAR na Sema, os assentados já conseguem acessar recursos da reforma agrária como o do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). A exigência é pela recuperação das Áreas de Preservação Permanente (APP), como encosta de morros e margem de rios dos assentamentos. Todos os Cadastros Ambientais Rurais contém o Plano de Recuperação das Áreas Degradadas (Prad). Dentre os pontos estabelecidos na execução do Prad constam o plantio de mudas, construção de aceros, adubação, aquisição de mudas nativas, cerca completa, formicida e placas orientativas.

Outros sete processos de CAR estão em tramitação no Intermat. A autarquia é responsável por 124 assentamentos incluindo os tradicionais, convencionais e Vilas Rurais. Os cadastros dos demais imóveis rurais serão feitos parte por técnicos da Diretoria Agrária do Intermat e os demais serão licitados. A execução do Prad também será feito mediante licitação.

O Intermat já encaminhou comunicado aos secretários municipais de agricultura de alguns dos 24 municípios informando do processo de CAR e a disponibilidade dos assentamentos em acessar recursos do Pronaf.

Os assentamentos que já possuem protocolo do CAR na Sema são: Pedra Branca (Nossa Senhora do Livramento), Coxos (Nossa Senhora do Livramento), Domingo José de Moraes (Porto Espiridião), Rio Santana (Nortelândia), Campo Alegre de Baixo (Nossa Senhora do Livramento), Arara Azul (Porto dos Gaúchos), Novo Horizonte 2 (Cocalinho), Baxiu (Barra do Bugres), São Pedro (Figueirópolis D´Oeste), Vale do Cachoerinha (Jaciara), José Mário Costa Bastos (Apiacás), Morro Grande (Santo Antônio de Leverger), Modelos Fitoterápicos (Mirassol D´Oeste) Brumado (Nossa Senhora do Livramento), Boa Esperança (Paranaíta), Volta do Bananal (Nossa Senhora do Livramento), Agrovila das Araras (Pontal do Araguaia), Júlio Firmino Rodrigues (Alta Floresta), Igarapé do Bruno (Apiacás), Vale do São Vicente (Santo Antônio de Leverger), Acorizal (Barão de Melgaço) e Resistência (Santo Antônio de Leverger), Imaculado Coração de Maria (Arenápolis) e Perdiz (Acorizal).

MORRE O ESCRITOR GAÚCHO MOACYR SCLIAR.

“Se o escritor não tiver prazer escrevendo, o leitor também não terá”

Com Moacyr Scliar, morto à 1h deste domingo por falência múltipla de órgãos devido às consequências de um acidente vascular cerebral (AVC), acontecia o contrário. Poucos escritores terão gostado tanto de escrever — e terão demonstrado tanta facilidade em fazer isso.

Aos 73 anos, o porto-alegrense Moacyr Jaime Scliar havia construído uma obra sólida, com mais de um livro publicado para cada ano de vida, em uma ampla gama de gêneros: contos, romances, literatura infanto-juvenil, ensaios. Além disso, era colunista frequente de uma dezena de publicações, de jornais diários como Zero Hora e Folha de S. Paulo a revistas técnicas. Escrevia em qualquer lugar a qualquer hora, auxiliado pela tecnologia – jamais viajava sem seu laptop. Tal dedicação à palavra e ao ofício que exercia com evidente prazer transformaram Scliar em um dos autores mais respeitados do Brasil.

Scliar morreu no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, onde estava internado desde 11 de janeiro. O escritor havia sido admitido no hospital para a retirada de pólipos (formações benignas) no intestino. A cirurgia, simples, havia transcorrido sem complicações. Scliar já se recuperava quando sofreu um AVC – obstrução de uma artéria que irriga o cérebro – de extrema gravidade.

Scliar nasceu em 1937, no bairro judaico do Bom Fim, em Porto Alegre, filho de José e Sara Scliar – a mãe, professora primária, seria a grande responsável pela paixão do escritor pelas letras: foi ela quem o alfabetizou. Formado médico sanitarista pela UFRGS, ingressou na profissão em 1962. Casado com Judith, professora, e pai do fotógrafo Roberto, Scliar havia também passado pela experiência de professor visitante em universidades estrangeiras e tinha obras traduzidas em uma dezena de idiomas, entre elas o russo e o hebraico. O trabalho como médico de saúde pública seria crucial na vida e na obra de Scliar – seu primeiro livro, publicado em 1962, foi uma coletânea de contos inspirados pela prática médica, Histórias de Médico em Formação, volume que mais tarde Scliar excluiria de sua bibliografia oficial por considerá-lo a obra prematura de um autor que ainda não estava pronto.

Nos seus livros seguintes, Scliar jamais se permitiria outra publicação prematura. Do mesmo modo como escrevia com velocidade e prazer, Scliar também revisava obsessivamente o próprio texto, a ponto de às vezes reescrever uma obra do zero por ter encontrado um ponto de vista narrativo mais adequado.

— Se o escritor não tiver prazer escrevendo, o leitor também não terá — comentou em uma entrevista concedida quando completou 70 anos, em 2007. (ZERO HORA)

PROJETO DE READEQUAÇÃO DA AGECOPA PODE GERAR PROBLEMAS FUTUROS.

Fonte: A Gazeta

As mudanças na lei que criou a Agência da Copa do Mundo -Agecopa, apresentadas pelos deputados nesta semana como a solução para os problemas e conflitos internos da entidade, pode se tornar uma bomba de efeito retardado altamente nocivo para o evento, a Copa do Mundo. Tudo porque os autores da matéria, os deputados Emanuel Pinheiro (PR) e Walter Rabello (PP) inseriram mudanças na Lei Complementar n.º 370/2009 que criou a Agecopa e definiu a atuação de todos os diretores como colegiado, ou seja, sem unanimidade nada é apreciado ou aprovado, que retira a obrigação do Estado de investir recursos próprios no evento.

O fato é que foi dada prerrogativa ao governador do Estado de substituir os valores assegurados quando da criação da Agecopa, pelo ex-governador Blairo Maggi, que era de R$ 1 bilhão dos cofres públicos estaduais e que seriam liberados no montante de R$ 250 milhões por ano, ou seja, 2010, 2011, 2012 e 2013, já que o evento está marcado para acontecer no final do mês de julho e início de agosto de 2014, mas as obras devem ficar prontas no ano anterior.

Simplesmente as mudanças apresentada pelos deputados e que estão sendo rubricadas por pelo menos outros 10 deputados é que havendo emendas de parlamentares federais, repasses da União e até mesmo empréstimos feitos pelo Tesouro Estadual, a critério do governador os novos valores reduzirão as obrigações do Estado em aplicar recursos públicos do Estado, ou seja, deixa-se de aplicar recursos próprios substituindo-os por outras fontes de financiamentos, inclusive endividando o Tesouro Estadual.

Aliás, em recente entrevista o governador Silval Barbosa (PMDB) se sentiu incomodado com perguntas a respeito do fato de que todos os recursos previstos e assegurados até o momento para a Copa do Mundo, seja da Arena Esportiva ou seja de Mobilidade Urbana foram a título de empréstimos, ou seja, o Estado é tomador e terá que pagar, então nada foi aplicado em termos de recursos da União.

Silval se limitou a informar que os R$ 380 milhões previstos para as obras de duplicação das BR-163/364 e 070 nas intercessões que cortam Cuiabá e Várzea Grande e que atenderão em parte a Mobilidade Urbana da Copa do Mundo com viadutos, trincheiras e intercessões, e que será de Rondonópolis até Posto Gil são recursos exclusivamente da União e não poderia ser diferente já que as rodovias são federais.

HERÓDOTO PODE CRIAR RÁDIO NACIONAL PARA CONCORRER COM CBN

NOME DO JORNALISTA JÁ NÃO CONSTA MAIS DO SITE DA CBN.

Nos bastidores, a Record News ainda não comenta sobre a chegada do jornalista que deve estrear na rede em abril. Na Cultura e na CBN também não há porta-vozes oficiais para comentar a saída de Heródoto. Procurado pelo celular, Heródoto não atende ao telefone, no qual a mensagem “ligue mais tarde e, por favor, não deixe mensagem na caixa postal” já deixa evidente que o jornalista não quer falar. Há rumores, ainda, de que a Record, além da Record News, que concorre com a Band News e a Globo News, prepara o lançamento de uma rádio nacional que concorreria com a CBN e também com a Band. Heródoto poderia, portanto, trabalhar tanto na TV quanto na hipotética rádio da Record.

O único comunicado oficial nessa migração entre as rádios e TV é que a vaga aberta por Heródoto no “Jornal da CBN” passa a ser ocupada por Milton Jung, que já está na CBN desde 1998. A nota da CBN relata que “Heródoto Barbeiro participou da criação da ‘CBN’, em 1991, e deixa a emissora depois de aceitar convite para trabalhar na ‘TV Record’. A ‘CBN’ agradece a dedicação de Heródoto pelos 20 anos durante os quais ajudou na construção desta marca de sucesso”. No lugar de Milton Jung, que apresentava “CBN São Paulo”, assume Fabíola Cidral.

ÂNCORA DA CBN, HERÓDOTO BARBEIRO PODE ASSINAR HOJE COM A RECORD NEWS.

DE SÃO PAULO: HOMERO SERGIO

Heródoto Barbeiro e a Record News já estão com tudo acertado para o seu ingresso na emissora. Só falta assinar o contrato, o que pode acontecer ainda no decorrer desta sexta-feira.  

As providências que restavam para o seu desligamento da rádio CBN e TV Cultura foram tomadas nos últimos dias. Heródoto estará à frente de todo este processo de reformulação que a emissora da Record pretende colocar em prática a partir de agora.

A informação é da coluna de Flávio Ricco. Ainda hoje Heródoto falará com a imprensa e o *****QUERÊNCIAHOJE***** vai trazer mais novidades.